Imagem 1

Programas: de 21 a 28 de julho

Programas: de 21 a 28 de julho

Nesta edição: leitura de análises geopolíticas, a cinebiografia de um dos pais da bomba atômica, mostra de filmes com temáticas feministas, uma nova leitura cinematográfica de ‘Dom Camurro’, sessões de cinema adaptado para crianças com TEA e outras síndromes, e mais…

*Sugestão de leitura de férias: com o mundo volta e meia estremecendo com alertas que anunciam guerras finais, convém ler A guerra, a energia e o novo mapa mundial (Ed. Vozes) lançado há cerca de um mês e organizado por José Luís Fiori. O volume reúne 33 artigos de Fiori, de José Sérgio Gabrielli, Rodrigo Leão e William Nozaki, todos eles pesquisadores do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, o Ineep, associado à Federação Única dos Petroleiros (FUP). Além de quatro entrevistas de José Luís Fiori.

*Os artigos e as entrevistas foram produzidos entre 2018 e 2022 e analisam as conjunturas nacional e internacional relacionadas “às grandes transformações internacionais e a reconfiguração da geopolítica energética do sistema mundial”.

*Com fina ironia, em sua resenha sobre o volume, o ex-governador Tarso Genro escreveu no site A Terra É Redonda a propósito da guerra na Ucrânia: “Este livro deveria ser de leitura obrigatória para formação de jornalistas que cometem, diariamente, equívocos de política internacional, dizendo que aquela Guerra é uma guerra entre a civilização bideana-zelenskiana da bondade viril e a barbárie de putiniana – que ergue um Secretário Geral chamado Stalin do seu túmulo maldoso e avermelhado. Assim cansa”.

*Esta semana, o principal cartaz cinematográfico que promete éa estreia de Oppenheimer, de autoria do competente diretor do cinema americano Christopher Nolan. É a dramática cinebiografia de Robert Oppenheimer, físico alemão e um dos pais da bomba atômica.Cillian Murphy faz o cientista que exclamou, quando viu a devastação da cidade de Hiroshima bombardeada: Agora, eu me tornei a Morte, a destruidora de mundos”. Oppenheimer citou, então, essa frase do texto sagrado do Bhagavad-Gita que estudou ao se interessar pelo hinduísmo.

*De olho neste programa: exibido na Mostra Panorama, do Festival de Berlim, e na Mostra de São Paulo, o inédito drama iraniano Até Amanhã, de Ali Asgari,está na plataforma Filmicca a partir do dia 28 deste mês. A história é de uma jovem com um bebê que esconde a criança dos seus pais. Quando eles vão visitá-la, ela precisa encontrar um lugar para deixar o filho ilegítimo por uma noite e tudo o que poderia indicar sua existência.

*Pelo quarto ano consecutivo, a Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais promove a série Trocas Culturais com encontros reunindo alguns dos finalistas da 22ª edição do Grande Prêmiodo Cinema Brasileiro para falar sobre processo criativo e desafios da produção cinematográfica no país. Com transmissões ao vivo através do seu canal oficial no YouTube, a série da Academia tem cinco episódios, às quartas-feiras, 19h. A cerimônia do Grande Prêmio será no dia 23 de agosto, às 21h, na Cidade das Artes, no Rio. Transmissão ao vivo pelo YouTube da ABCAA e pelo Canal Brasil, que terá sinal aberto para não assinantes dentro do Globoplay.

*No Mais Shopping, em Santo Amaro, SP, nova série Azul, com sessões de cinema adaptado para pessoas que sofrem do Transtorno do Espectro Autista (TEA) ou outras síndromes. As crianças podem se divertir nas sessões em salas com volume do som reduzido e 50% das luzes acesas. E é permitido entrar e sair à vontade das sessões durante as exibições sem publicidade comercial nem trailers. (Metrô Largo Treze). A próxima Sessão Azul é dia 27.

*O admirável diretor americano Robert Altman, falecido em 2006, está na plataforma Mubi. Seu filme Kansas City, de 1996, é uma bela balada de amor ao jazz da cidade onde ele nasceu. Ao som de swing e percussão, este drama criminal dos anos 1930 vem com um elenco estelar de atores e lendas da música, entre eles e elas, Harry Belafonte. Kansas City foi Leão de Ouro no Festival de Veneza e Palma de Ouro em Cannes.

Veja Também:  Perdemos César Locatelli, nosso colega no Fórum 21

*Haiti: Dois Séculos de História (Ed. Alameda), do historiador Everaldo de Oliveira Andrade, é mais uma leitura de férias com informações, dados e documentos que oferecem ao leitor ampla visão do longo processo histórico de independência do povo haitiano, desde 1804 até os primeiros anos deste século. A nação haitiana sobreviveu soberanamente por mais de cem anos sem novas invasões, chegou ao século XX independente, mas hoje vive uma tragédia.

*Mais leituras de férias: a Tablinha (selo da Editora Tabla) com lançamentos interessantes. Um conto dentro do conto, do escritor turco Ahmet Ümit; O Girassol, de Amal Naser; e entre os infanto-juvenis, O Pequeno Lampião, do célebre autor palestino Ghassan Kanafani, um dos seus livros escritos para uma amada sobrinha, Lamis, no oitavo aniversário da menina.

*Outro programa para a garotada: o desenho animado Elementos que se passa em uma sociedade onde os elementos da natureza – ar, terra, fogo e ar – vivem em harmonia. O filme surfa na onda ecológica e está em cartaz nos cinemas até 30 de julho.

*Um dos maiores clássicos da literatura nacional, Dom Casmurro, ganha nova leitura cinematográfica com Julio Bressane. Dia 27 de julho estreia Capitu e O Capítulo. Nas palavras do diretor, é “a trama machadiana, distorcida, transpassada por cenas, trechos, farrapos de filmes e texturas que se desdobram em capítulos de uma ficção escondida, ainda não vista, que se desvela, e recomeça em outro solo, em outro cosmos.”O filme traz Mariana Ximenes, Vladimir Brichta e Enrique Diaz nos papéis principais. Bressane já levou Machado de Assis ao cinema, em 1985, com Memórias Póstumas de Brás Cubas.

*O MASP, Museu de Arte de São Paulo AssisChateaubriand, apresenta, até o dia 6 de agosto, a mostra Paul Gauguin: o outro e eu, com 40 obras, pinturas e gravuras do artista, e faz a crítica da relação do pós-impressionista com a ideia da exotização do “outro”. Está sendo lançado também o catálogo com ensaios inéditos e 151 imagens.

*Retrospectiva no Instituto Moreira Salles paulista com filmes de temática feminista preservados pelo Centro Audiovisual Simone de Beauvoir e produzidos por coletivos feministas a partir dos anos 1970.A mostraArquivos, vídeos e feminismos: o acervo do Centro Audiovisual Simone de Beauvoir irá até o fim deste ano com programas se renovando a cada mês a partir do dia 26 de julho (19h30) quando serão exibidos A conferência sobre a mulher – Nairóbi 85 (1985) e Os racistas não são nossos camaradas, nem os estupradores (1986).Sessão com debate com Barbara Rangel, curadora da mostra, com a pesquisadora Rosane Borges e com Glênis Cardoso, crítica de cinema e editora da revista Verberenas.

*De volta aos anos 60 – Os acontecimentos da história atual, de autoria de PierreBergounioux, (Ed. Alameda) propõe uma nova leitura para o modo como o mundo se articula atualmente e fatos da história recente, fazendo um balanço da miragem de toda uma geração. Não apenas Cuba ou o saudosismo revolucionário são assuntos do escritor neste ensaio. Bergounioux é crítico, romancista, ensaísta e autor de Un peu de bleu dans le paysage e Jusqu’à Faulkner (De editoras francesas).

(L.M.A.R.)

*As informações acima são fornecidas por editoras, produtoras e exibidoras.

**Imagem em destaque: ‘Capitu e o Capítulo’, de Julio Bressane, uma releitura de Dom Casmurro, de Machado de Assis, estreia nos cinemas dia 27 de julho

Tagged: , , , , , ,

Leave comment