Imagem 1

Chico Buarque, Gilberto Gil e intelectuais pedem a Lula ruptura de relações com Israel

Chico Buarque, Gilberto Gil e intelectuais pedem a Lula ruptura de relações com Israel

Por ÓPERA MUNDI

Ao menos 45 personalidades artística, política e da intelectualidade brasileira assinaram uma carta aberta nesta quinta-feira (30/05) ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva pedindo que o governo rompa relações com o Estado de Israel que mantém uma ofensiva militar contra os palestinos.

O ator Wagner Moura e os músicos Chico Buarque, Gilberto Gil e Emicida são alguns dos signatários do documento em que afirmam que uma ruptura de Brasília com Tel Aviv serviria de “exemplo a outros governos e constituiriam uma imensa contribuição para que se encerre essa carnificina insuportável” na Faixa de Gaza.

“Estamos convencidos, querido presidente, que é hora de nosso país se juntar às demais nações que romperam relações diplomáticas e comerciais com o Estado de Israel, exigindo o cumprimento das decisões que colocam fim ao genocídio e garantem a autodeterminação do povo palestino”, afirmam os signatários.

A carta também é assinada por personalidades de origem judaica, como Anita Leocadia Prestes, filha de Olga Benário que foi executada em um campo de extermínio nazista; o professor de relações internacionais da PUC-SP Bruno Huberman; e o jornalista e fundador de Opera Mundi, Breno Altman.

Outras personalidades que assinam o documento são os ex-ministros Luis Carlos Bresser-Pereira, que esteve à frente da Fazenda (1987), Administração e Reforma do Estado (1995-1998) e Ciência e Tecnologia (1999); Paulo Vannuchi, Secretaria de Direitos Humanos (entre 2005 e 2010); e Eugênio Aragão, foi chefe da Justiça do governo Dilma Rousseff (2016).

Na área política, o dirigente do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, e os ex-presidentes do Partido dos Trabalhadores, José Dirceu (1995 a 2002) e José Genoino (2003-2005), somam no apoio à ruptura com Israel. Além de Manuella Mirella, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE).

No campo da literatura brasileira, nomes como dos escritores Milton Hatoum e Raduan Nassar, vencedor do Prêmio Camões em 2016, também aparecem em solidariedade aos palestinos e na pressão ao governo Lula.

Os professores Salem Nasser, Arlene Clemesha, Reginaldo Nasser e Francirosy Campos Barbosa assinam a carta junto com o presidente da Federação Árabe Palestina do Brasil, Ualid Rabah.

Íntegra da carta ao presidente Lula:

Carta aberta ao presidente Lula sobre o genocídio do povo palestino

Estimado presidente Lula

Antes de mais nada, queremos saudá-lo por seu comportamento sempre firme e coerente em solidariedade ao povo palestino, denunciando reiteradamente o genocídio do qual é vítima, especialmente suas mulheres e crianças.

Veja Também:  Porque a extrema-direita cresce na Europa

O Brasil tem apresentado seguidas propostas para o cessar fogo na Faixa de Gaza e a solução de dois Estados estabelecida por resoluções internacionais. Graças ao seu governo, somos uma das nações que reconhecem, no âmbito das Nações Unidas, a soberania e a independência da Palestina.

No entanto, a crescente violência imposta pelo governo Netanyahu, com ataques desumanos e cruéis contra civis, obriga o mundo a ir além de gestos e propostas diplomáticas, como já debatem diversos países da União Europeia e outras regiões.

O governo Netanyahu viola abertamente deliberações emanadas da Corte Internacional de Justiça, colocando-se à margem do direito, além de desrespeitar o Conselho de Segurança e a Assembleia Geral da ONU.

Recentes ataques contra um acampamento de deslocados em Rafah, no sul de Gaza, com dezenas de inocentes assassinados, demonstram claramente inaceitável desprezo à ética humanitária.

Estamos convencidos, querido presidente, que é hora de nosso país se juntar às demais nações que romperam relações diplomáticas e comerciais com o Estado de Israel, exigindo o cumprimento das decisões que colocam fim ao genocídio e garantem a autodeterminação do povo palestino.

Essas medidas, adotadas por nosso país e sob uma liderança de sua envergadura, certamente serviriam de exemplo a outros governos e constituiriam uma imensa contribuição para que se encerre essa carnificina insuportável.

Amanda Harumy
Anita Leocadia Prestes
Antônio Carlos de Almeida Castro
Arlene Clemesha
Berenice Bento
Breno Altman
Bruno Huberman
Carol Proner
Cézar Brito
Chico Buarque
Eleonora Menicucci de Oliveira
Emicida
Eugênio Aragão
Francirosy Campos Barbosa
Gilberto Gil
Heloísa Vilela
Jamal Suleiman
Jessé Souza
João Pedro Stédile
Jones Manoel
José de Abreu
José Dirceu
José Genoíno
Juliana Neuenschwander
Juarez Tavares
Kenarik Boujikian
Larissa Ramina
Luiz Carlos Bresser-Pereira
Luiz Carlos da Rocha
Manoel Caetano Ferreira Filho
Manuella Mirella
Margarida Lacombe
Marly Vianna
Milton Hatoum
Nathalia Urban
Ney Strozake
Paulo Borba Casella
Paulo Nogueira Batista Jr.
Paulo Sérgio Pinheiro
Paulo Vannuchi
Pedro Serrano
Raduan Nassar
Reginaldo Nasser
Salem Nasser
Ualid Rabah
Wagner Moura

Na imagem, palestino na Faixa de Guerra destruída pelo Exército israelense / Reprodução

Tagged: , , ,