Imagem 1

Mais de 120 mil pessoas desalojadas com o início do cerco a Gaza

Mais de 120 mil pessoas desalojadas com o início do cerco a Gaza

O bloqueio deixará Gaza “sem eletricidade, sem alimentos, sem combustível”, resumiu o ministro da Defesa israelense, Yoav Galant. Os cortes de energia afetam hospitais, que agora dependem de geradores de emergência, e vários deles têm combustível para apenas quatro dias.

POR CORRESPONDENTE IPS

AMÃ – Mais de 120 mil habitantes da Faixa de Gaza já fugiram de suas casas, sob o impacto dos bombardeamentos, após o início do cerco de Israel, nesta segunda-feira (9), com cortes no fornecimento de água, alimentos, eletricidade e combustível, informou a Organização das Nações Unidas Agência para os Refugiados Palestinianos (UNRWA).

O ministro da Defesa israelense, Yoav Galant, disse que o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ordenou um bloqueio total da Faixa, de onde a milícia do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) lançou um ataque sem precedentes contra o território israelense em 7 de outubro.

O bloqueio deixará Gaza “sem eletricidade, sem alimentos, sem combustível”, resumiu Galant.

O terceiro dia do confronto violento, iniciado pelo ataque do Hamas a civis e soldados israelitas, mostra um número provisório de pelo menos 800 mortos e 2.243 feridos em Israel, 560 mortos e 2.900 feridos em Gaza, e 16 mortos e 80 feridos na Cisjordânia ocupado.

Os números foram divulgados pelo Ministério da Saúde palestino, pelo Crescente Vermelho Palestino e pelos Serviços Médicos Israelenses. A grande maioria das vítimas são civis.

Segundo a UNRWA, o número de desabrigados, alojados em 64 escolas convertidas em abrigos, aumentou em dezenas de milhares, atingindo cerca de 123 mil na estreita e sobrelotada Faixa de Gaza, de 360 ​​quilômetros quadrados e 2,3 milhões de habitantes.

Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha) disse que abrigos de emergência foram ativados em Gaza para acomodar pessoas deslocadas “principalmente devido ao medo, à preocupação com a proteção e à destruição das suas casas”.

Pelo menos 14 instalações da UNRWA, incluindo escolas, foram danificadas e a entidade lembrou que “os civis devem ser protegidos em todos os momentos, mesmo durante o combate”, e as infraestruturas que albergam famílias deslocadas “nunca devem ser atacadas”.

A agência destacou que as autoridades israelitas impõem restrições de circulação também em campos de refugiados em áreas da Cisjordânia, impedindo que mais de 27 mil palestinianos tenham acesso a cuidados de saúde e outros serviços.

Segundo agências da ONU, todas as escolas na Cisjordânia e em Gaza estão fechadas, afetando um total de 1,4 milhões de crianças e jovens estudantes.

Os cortes de energia afetam hospitais, que agora dependem de geradores de emergência, e vários deles têm combustível para apenas quatro dias. “Com o elevado número de vítimas, há uma necessidade urgente de traumas e cuidados de emergência”, disse Unwra.

Veja Também:  Governo do Brasil sob assédio do mercado e da direita moralista

A agência acrescentou que todas as atividades de recolha e transferência de resíduos sólidos para aterros continuam suspensas, e que continuam as operações de poços de água em Jabalia, Khan Younis e Rafah, três das cidades de Gaza.

Programa Alimentar Mundial (PAM) também expressou a sua preocupação com “a rápida deterioração da situação em Israel e no Estado da Palestina e o impacto deste conflito nas populações afetadas”.

“À medida que o conflito se intensifica, os civis, incluindo crianças e famílias vulneráveis, enfrentam dificuldades crescentes no acesso a alimentos básicos. As redes de distribuição estão perturbadas e a produção de alimentos é seriamente afetada pelas hostilidades”, sublinhou a agência da ONU.

Por sua vez, o Conselho de Direitos Humanos da ONU , com sede em Genebra, na Suíça, observou um minuto de silêncio durante o dia, a pedido do representante dos Estados Unidos “em homenagem às vítimas inocentes” em Israel e Gaza, “como consequência dos ataques do Hamas”.

A Europa, principal doador da Palestina, suspendeu todos os pagamentos e está a rever todos os seus projetos de cooperação para o desenvolvimento no território, segundo o comissário para a Vizinhança e Alargamento, o húngaro Oliver Varhelyi.

Em Israel, as autoridades militares informaram que cerca de 100 mil soldados da reserva já se reuniram perto da cerca que separa o território israelita da Faixa. Após os bombardeamentos, os analistas concordam que uma incursão terrestre das forças israelitas pode ser iminente.

Na sede da ONU em Nova Iorque, membros do Conselho de Segurança realizavam reuniões à porta fechada para analisar a situação e altos funcionários da organização continuavam a defender o fim da violência.

O Secretário-Geral, António Guterres, que condenou “nos termos mais fortes” o ataque do Hamas, apelou a todas as partes envolvidas “à máxima contenção” e a “todos os esforços diplomáticos para evitar uma conflagração mais ampla”. Ele também lembrou, em comunicado, que “os civis devem ser sempre respeitados e protegidos conforme o direito humanitário internacional”.

Artigo publicado originalmente na Inter Press Service.


Prédios em chamas no centro de Gaza, após um bombardeio israelense. Nos três dias de confronto iniciado pelos ataques do movimento islâmico Hamas a Israel, quase 1.400 pessoas morreram em ambos os lados da Faixa, mais de 5.000 ficaram feridas e dezenas de milhares estão a fugir das suas casas. Imagem: Ziad Taleb/ONU

Tagged: , , ,

Leave comment