Imagem 1

Cuba e EUA mantêm intercâmbios apesar das persistentes divergências

Cuba e EUA mantêm intercâmbios apesar das persistentes divergências

Monumento inspirado na bandeira cubana em frente ao edifício da embaixada dos EUA em Havana. Em 15 de maio, o governo do presidente Joe Biden retirou a ilha da lista de países que, na opinião de Washington, “não cooperam plenamente” com os esforços antiterroristas dos EUA. Imagem: Jorge Luis Baños / IPS.

POR LUIS BRIZUELA

HAVANA – A recente retirada de Cuba de uma das listas de vigilância antiterrorista dos Estados Unidos é um tributo a uma ligeira flexibilização das relações, marcada por divergências, mas com espaço para um diálogo mutuamente benéfico.

A 15 de maio, a administração do Presidente Joe Biden retirou a ilha da lista dos países que, segundo Washington, “não cooperam plenamente” com os esforços antiterroristas dos Estados Unidos.

A certificação enviada ao Congresso pelo secretário de Estado, Antony Blinken, referia-se a uma mudança de circunstâncias para manter essa classificação, em vigor desde maio de 2020, durante a administração do ex-presidente Donald Trump (2017-2021).

Washington justificou então a sua decisão na recusa de Cuba em aceitar o pedido de extradição de membros do Exército de Libertação Nacional (ELN) da Colômbia, que se encontravam em Havana para os Diálogos de Paz.

O governo cubano argumentou que, enquanto país anfitrião das conversações, estava empenhado em garantir o regresso em segurança da delegação do ELN, tal como estabelecido no protocolo e em conformidade com o direito internacional.

Membros do grupo de empresários, agricultores e funcionários norte-americanos que participam na 5ª Conferência Agrícola Cuba-Estados Unidos posam para uma fotografia depois de avaliarem os resultados da visita de 13 a 15 de maio, centrada na procura de oportunidades de negócio, numa conferência de imprensa no Hotel Gran Aston em Havana. 15 de maio de 2024. Imagem: Jorge Luis Baños/IPS.

Em agosto de 2022, o presidente colombiano Gustavo Petro pediu à Procuradoria Geral da República que suspendesse os mandados de prisão emitidos durante o governo de Iván Duque (2018-2022) contra 17 membros do ELN, incluindo aqueles que ele havia pedido a Cuba para extraditar.

A este respeito, o executivo de Petro valorizou “o apoio e os enormes esforços de Cuba para contribuir para a busca da paz na Colômbia”.

Os responsáveis norte-americanos destacaram também que os Estados Unidos e Cuba retomaram a cooperação policial, nomeadamente na luta contra o terrorismo.

No final de abril de 2023, os dois governos realizaram um intercâmbio técnico em Havana sobre a cooperação antiterrorista. Discutiram o desvio de aviões e embarcações marítimas, bem como a utilização de redes digitais para fins violentos.

Sanções persistem

No entanto, o governo de Havana lamentou que o Departamento de Estado continue a designar Cuba como um Estado “patrocinador” do terrorismo, uma das últimas decisões da administração Trump, quase no final do seu mandato em janeiro de 2021.

“Trata-se de uma lista absolutamente unilateral e infundada, cujo único propósito é caluniar e servir de pretexto para a adoção de medidas econômicas coercivas contra Estados soberanos, como as impiedosamente aplicadas contra Cuba”, sublinhou um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros do próprio dia 15.

O Departamento de Estado esclareceu que a designação de Estado patrocinador do terrorismo é “inteiramente separada” do processo de certificação de países que não cooperam suficientemente com os esforços antiterroristas dos EUA.

Acrescentou ainda que qualquer revisão do estatuto de Cuba na lista “seria baseada na lei e nos critérios estabelecidos pelo Congresso”.

Esta designação inclui restrições à ajuda externa dos EUA, proibições de exportações e vendas de produtos de defesa, restrições financeiras e outras, bem como uma vasta gama de sanções que penalizam os indivíduos e os bancos que efetuam determinadas trocas comerciais com os países que constam na lista.

O medicamento cubano Heberprot-P está em exposição no stand dedicado às empresas cubanas durante a 39ª edição da Feira Internacional de Havana, no recinto da Expocuba. Em 17 de maio, foi noticiado que o medicamento, que pode reduzir em mais de 70% a taxa de amputação em pacientes com úlceras avançadas de pé diabético, foi aprovado pela Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA) para iniciar a fase três dos testes clínicos. Imagem: Jorge Luis Baños/IPS.

A medida cria também obstáculos adicionais à prestação de assistência humanitária, numa altura em que a ilha atravessa uma grave crise econômica, marcada pela escassez de alimentos, produtos básicos e material médico.

A este respeito, o Governo cubano explica que a permanência na lista de patrocinadores do terrorismo aumenta os problemas financeiros e bancários derivados do próprio embargo americano, em vigor desde 1962, e aumenta o risco-país para as operações comerciais.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros sublinhou que “não basta reconhecer que Cuba coopera plenamente com os Estados Unidos. É também com a comunidade internacional no seu conjunto”, sublinhando que o presidente norte-americano “tem todas as prerrogativas para agir honestamente e fazer o que é correto”.

O governo do Presidente Miguel Díaz-Canel reconhece que a administração Biden adoptou “decisões positivas, mas de alcance muito limitado” em matéria de vistos, migração regular, voos e remessas, mantendo as medidas de “pressão máxima” ordenadas por Trump.

Veja Também:  Editor francês pregava boicote contra Israel

Na opinião dos analistas, é improvável que haja mudanças substanciais na política em relação a Cuba antes das eleições presidenciais de novembro nos Estados Unidos, quando Biden e Trump se recandidatarem.

O embargo continua a ser o principal ponto de discórdia na disputa entre os dois países. Embora seja da competência do Congresso bicameral dos EUA levantá-lo, o lado cubano salientou que o poder executivo tem amplos poderes para o enfraquecer.

Havana insiste que a rede de sanções constitui uma violação maciça, flagrante e sistemática dos direitos humanos e que as deficiências que provoca têm como objetivo induzir um surto social e uma mudança no sistema político de orientação socialista.

Numa entrevista recente, o presidente Díaz-Canel manifestou a sua vontade de dialogar com a administração Biden “em igualdade de condições, sem imposições e sem condições”.

Diálogos e projetos de cooperação

Apesar do diferendo, as autoridades cubanas assinalaram “progressos” nos domínios da migração e da aplicação da lei, da saúde, da ciência e da tecnologia.

Em abril, durante a mais recente reunião sobre acordos de migração em Washington, os responsáveis cubanos sublinharam que a cooperação da ilha “tem sido séria e eficaz”, a fim de favorecer “uma migração regular, segura e ordenada”.

A parte cubana sublinhou que, durante 2023 e até agora em 2024, o governo dos EUA concedeu mais de 20.000 vistos a migrantes da ilha, devolveu a maioria dos que foram interceptados no mar e retomou os voos de regresso dos migrantes irregulares.

Em meio à deterioração da situação econômica, ao reforço do embargo desde 2019, bem como aos atrasos e erros na implementação de políticas internas, estima-se que mais de meio milhão de cubanos tenha partido para os Estados Unidos desde o final de 2022.

Cuba reiterou a sua preocupação com o que considera serem medidas que incentivam a migração ilegal e, para além do reforço das sanções, menciona “o tratamento preferencial que os cubanos que entram ilegalmente em território americano ainda recebem e a validade da Lei de Ajuste Cubano”.

No domínio econômico, empresários, agricultores e funcionários norte-americanos de diferentes Estados, bem como agricultores, cooperativas e representantes de pequenas empresas privadas da ilha participaram na 5ª Conferência Agrícola Cuba-EUA, realizada em Havana de 13 a 15 de maio, que se centrou na procura de oportunidades de negócio.


Uma pequena bandeira cubana e uma bandeira americana decoram o stand da empresa Maracuba Cargo SRL durante a 2ª Feira Internacional de Transporte e Logística no centro de exposições Pabexpo em Havana. Apesar das diferenças entre os dois países, as autoridades cubanas assinalaram “progressos” em questões como acordos de migração e aplicação da lei, saúde, ciência e tecnologia. Imagem: Jorge Luis Baños/IPS.

As duas partes concordaram que as sanções de Washington são um obstáculo fundamental à expansão do comércio agrícola entre os dois países, uma questão importante para a nação caribenha, que precisa urgentemente importar a maior parte dos alimentos que consome.

O ativismo do setor agrícola foi fundamental para que o Congresso dos EUA aprovasse a Lei de Reforma das Sanções Comerciais e de Melhoria das Exportações em 2000.

A legislação introduziu isenções que permitem a Cuba comprar produtos agrícolas, principalmente aves de capoeira, trigo e soja, ao seu vizinho do norte, separado por apenas 90 milhas náuticas, mas o pagamento deve ser feito em dinheiro, antecipadamente e sem financiamento dos EUA.

No dia 17 de maio, foi divulgado que o Heberprot-P, um dos medicamentos estrela da indústria biotecnológica cubana, foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para iniciar a fase três dos ensaios clínicos.

Lee Weingart, presidente da empresa de biotecnologia Discovery Therapeutics Caribe (DTC), com sede em Cleveland, Ohio, disse à agência de notícias cubana Prensa Latina que o estudo envolverá 180 pacientes em cerca de 25 centros dos EUA e que o medicamento poderia estar no mercado aprovado pela FDA em meados de 2028.

Weingart recordou que 38,4 milhões de norte-americanos sofrem de diabetes, dos quais “1,6 milhão por ano desenvolverá úlcera no pé diabético”.

O Heberprot-P é o único medicamento do gênero no mundo, reduzindo em mais de 70% a taxa de amputação em doentes com úlceras avançadas do pé diabético, o que contribui significativamente para a qualidade de vida, segundo estudos clínicos.

No âmbito das isenções de embargo, os dois países estão desenvolvendo projetos conjuntos de investigação médica.

Desenvolvida pelo Centro de Imunologia Molecular (CIM) de Havana, a vacina terapêutica CIMAvax-EGF para o tratamento do cancro do pulmão está sendo utilizada em ensaios clínicos nos Estados Unidos, com base na colaboração entre cientistas da ilha e do Roswell Park Cancer Institute de Buffalo, Nova Iorque.

Em janeiro de 2023, as autoridades americanas renovaram a licença de colaboração entre os dois centros até novembro de 2027, enquanto a empresa de biotecnologia americano-cubana Innovative Immunotherapy Alliance, fundada em setembro de 2018 e sediada na Zona Especial de Desenvolvimento de Mariel, 45 km a oeste de Havana, continua ativa.

Artigo publicado na Inter Press Service.

Tagged: , ,