Imagem 1

RS: Nível do Guaíba começa a baixar; Leite anuncia construção de “cidades temporárias”

RS: Nível do Guaíba começa a baixar; Leite anuncia construção de “cidades temporárias”

TRAGÉDIA NO SUL

As águas do rio Guaíba começaram a baixar nesta sexta-feira (17), duas semanas após o início das chuvas que provocaram enchentes sem precedentes e causaram pelo menos 155 mortes no estado do Rio Grande do Sul, e que, desde então, mantém Porto Alegre alagada. O nível do rio baixou para 4,70 metros, depois de ter atingido picos de 5,30 metros, mas permanece muito acima de seu nível de cheia, que é de 3 metros (EFE, Correio da Manhã).

De manhã, o governador Eduardo Leite anunciou um plano de reconstrução para o estado, incluindo a construção de quatro “cidades temporárias” para abrigar milhares de deslocados pelas inundações.

Os espaços, adaptados para acomodar as pessoas por um período prolongado, serão construídos nas próximas semanas, em complexos esportivos e culturais em Porto Alegre, Canoas, São Leopoldo e Guaíba, e irão dispor de instalações como cozinhas, lavanderias, espaços de TV e áreas de recreação para crianças. Em Canoas, onde um projeto provisório já foi realizado, estima-se mil pessoas possam ser acolhidas com um custo de 13 milhões de reais, incluindo montagem e manutenção por seis meses.

Leite destacou a importância de melhorar as condições dos centros de acolhimento, atualmente improvisados em escolas e instalações esportivas, para garantir dignidade aos afetados. Mais de 78.000 pessoas estão alojadas em cerca de 875 centros em mais de 100 cidades do estado (El Tiempo).

NÃO SEM A RÚSSIA

Os presidentes do Brasil e da África do Sul optaram por não participar da conferência sobre a Ucrânia na Suíça no próximo mês. O evento, agendado para os dias 15 e 16 de junho, em Lucerna, terá como foco o plano proposto pelo presidente ucraniano Vladimir Zelensky para resolver o conflito com a Rússia. Mais de 160 países foram convidados, incluindo membros do G7, G20, BRICS e da UE, mas a Rússia não recebeu convite.

Nesta sexta-feira (17), o porta-voz presidencial sul-africano anunciou que o presidente Cyril Ramaphosa não participará da cúpula suíça devido a “processos constitucionais” em seu país após a eleição presidencial. O presidente Lula também decidiu não comparecer, já que o evento não inclui ambas as partes do conflito, conforme relatado pela CNN. Embora a Suíça tenha convidado a China, há indicações de que Pequim também pode optar por não participar.

O evento tem sido criticado por autoridades russas como uma “paródia de negociações”, e o presidente Putin enfatizou que a exclusão da Rússia torna qualquer resolução impossível (Russia Today).

COPA FEMININA, É NO BRASIL

O Brasil sediará a Copa do Mundo Feminina de 2027, sendo o primeiro país da América do Sul a hospedar o evento, após ter sediado duas vezes a edição masculina, em 1950 e 2014. A candidatura brasileira venceu a proposta conjunta da Bélgica, Alemanha e Holanda em uma votação no Congresso da Fifa nesta sexta-feira (17), em Bangkok, capital da Tailândia.

Veja Também:  O que esperam os empresários privados das medidas adotadas pelos EUA em relação à Cuba?

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, parabenizou o Brasil, e afirmou: “Teremos a melhor Copa do Mundo no Brasil”. A decisão fortalece as perspectivas de uma candidatura do Reino Unido para a Copa do Mundo em algum momento da década de 2030. Estados Unidos e México desistiram da corrida de 2027 para se concentrarem na organização em 2031.

Valesca Araújo, principal responsável pelo comitê de candidatura do Brasil, destacou o potencial de transformação do país e do continente, ressaltando o empenho brasileiro em sediar grandes eventos esportivos. “O Brasil teve sucesso com três grandes eventos, os Jogos Olímpicos [em 2016], a Copa do Mundo [em 2014] e os Jogos Pan-Americanos [em 2007]. Todo mundo gosta de ir ao Brasil e acho que essa foi uma mistura que nos ajudou a ter o privilégio de sediar uma Copa do Mundo em casa”, disse (Independent).

“CUBA NÃO É TERRORISTA”

Em nota oficial, o Governo brasileiro comemorou nesta quinta-feira (16) a decisão dos Estados Unidos de retirar Cuba de sua lista unilateral de países que não colaboram plenamente na luta contra o terrorismo.

“O Brasil estima tratar-se de passo importante na direção correta e insta o governo norte-americano a excluir Cuba também de sua lista unilateral de Estados patrocinadores do terrorismo, da qual derivam pesadas e injustificadas sanções ao país caribenho. A manutenção de Cuba na lista de Estados patrocinadores do terrorismo é objeto de repúdio unânime dos países da América Latina e do Caribe, conforme consta de Declaração Especial aprovada por ocasião da última Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) (Kingstown, 1º de março), e de ampla maioria da comunidade internacional”, informa o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

O texto ainda ressalta que, durante a Cúpula da CELAC, o presidente Lula também defendeu o fim do bloqueio dos EUA contra Cuba e condenou todas as sanções unilaterais sem respaldo do Direito Internacional, enfatizando que tais medidas prejudicam os mais vulneráveis (Prensa Latina).

O ANAFALBETISMO AUMENTOU

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou nesta sexta, 17, que aproximadamente 11,4 milhões de pessoas no Brasil são incapazes de ler ou escrever. Os dados são provenientes do último censo nacional, realizado em 2022, que revelou que, naquele ano, havia 163 milhões de pessoas com 15 anos ou mais no país. Dentre elas, 151,5 milhões possuíam capacidade para ler e escrever textos simples, enquanto 11,4 milhões não tinham essa habilidade.

O IBGE também destacou que a taxa de alfabetização para esse grupo populacional em 2022 era de 93%, com uma taxa de analfabetismo de 7%. Em comparação com o censo de 2010, as taxas correspondentes eram de 90,4% e 9,6%, respectivamente (Correio da Manhã).

Tagged: , , , , , ,