Imagem 1

Lula lança programa de crédito e renegociação de dívidas de micro e pequenas empresas

Lula lança programa de crédito e renegociação de dívidas de micro e pequenas empresas

O governo brasileiro lançou medidas nesta segunda-feira com o objetivo de renegociar dívidas e reduzir o custo de novos empréstimos para pequenas empresas e famílias de baixa renda, além de estabelecer um mercado secundário para o crédito imobiliário. A iniciativa, já sugerida anteriormente por autoridades do governo, está em sintonia com os esforços do governo do presidente Lula para impulsionar a atividade econômica e, ao mesmo tempo, melhorar sua popularidade, que vem apresentando uma trajetória descendente nas pesquisas recentes, informa agência Reuters. O programa “Acredita” facilitará a concessão de microcrédito para os inscritos no CadUnico, o registro do governo federal que permite o acesso a programas sociais, incluindo o Bolsa Família, uma ajuda financeira de caráter assistencial.

BOLSONARO

O Guardian publicou ainda no domingo (21) uma abertura crítica para reportagem sobre o ato de Bolsonaro em Copacabana e um texto repleto de ironia: Milhares de apoiadores obstinados do ex-presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, foram às ruas do Rio para defender seu líder em apuros e celebrar o novo herói de seu movimento de extrema direita: Elon Musk. O bilionário da tecnologia passou as últimas semanas usando sua rede social X para criticar o arqui-inimigo de Bolsonaro, o juiz do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. Moraes é responsável por várias investigações sobre Bolsonaro que podem levar o ex-presidente à prisão, incluindo uma que examina o suposto plano de golpe que precedeu a insurreição de direita em Brasília em 8 de janeiro de 2023. O texto é do correspondente no Rio, Tom Phillips, que conhece a política brasileira. O autoproclamado “absolutista da liberdade de expressão” Musk entusiasmou os seguidores de Bolsonaro, que acusam Moraes de realizar uma cruzada anticonstitucional contra influenciadores, políticos e ativistas de extrema direita. Nos últimos anos, Moraes instruiu empresas de mídia social, incluindo a X, a bloquear dezenas de contas pertencentes a aliados ou apoiadores de Bolsonaro e ordenou a prisão de uma série de figuras ligadas ao ex-presidente. Apesar de admitir que o ato não foi tão grande, o texto diz que bolsonaristas foram para o mar em lanchas e jetskis para ter uma visão melhor de seu líder.

Já o argentino La Nación publicou texto “objetivo” sobre o ato da extrema-direita. Milhares de apoiadores do ex-presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, se reuniram no domingo em Copacabana, no sul do Rio de Janeiro, em uma manifestação convocada pelo ultradireitista que foi marcada por discursos religiosos, ataques ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao Supremo Tribunal Federal (STF), e mensagens a favor da liberdade de expressão. Reunidos no início da manhã de domingo na turística orla de Copacabana, milhares de torcedores compareceram vestidos com camisas da seleção brasileira, envoltos em bandeiras brasileiras ou com as cores do Brasil. Havia 32.700 pessoas presentes, de acordo com uma estimativa do grupo de pesquisa de debate político Monitor.

O jornal Ámbito destacou: Jair Bolsonaro disse que “o mundo inteiro está ciente de como a nossa liberdade de expressão está ameaçada, e eu vim aqui para lutar por isso, porque no Brasil não temos mais esse direito”.

Veja Também:  No G7, Lula propõe taxação dos super-ricos e governança global para IA

INDÍGENAS

Os povos indígenas do Brasil ocuparão a capital desta segunda até sexta-feira para exigir a garantia dos direitos indígenas, a demarcação de terras e o fim da violência em seus territórios. Com o chamado Acampamento Terra Livre (ATL) 2024, as comunidades se instalarão no complexo da Fundação Nacional de Artes na capital, vinculada ao Ministério da Cultura. A organização do ATL incentiva as aldeias a articularem em seus territórios a participação no evento, que este ano tem como tema “Nosso Marco é Ancestral: Sempre estivemos aqui”, para comemorar os 20 anos da maior mobilização indígena do país e a união entre os povos, informa o site latino Nodal com texto a agência cubana Prensa Latina.

MST

O site latino Rebelion traz extenso artigo sobre o MST com o título “Durante quarenta anos, os trabalhadores sem-terra do Brasil lutaram para construir a humanidade e um novo mundo”. Trabalhadores brasileiros sem-terra que vivem em assentamentos e acampamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) arrecadaram cerca de 13 toneladas de alimentos para enviar ao povo palestino em Gaza entre outubro e dezembro de 2023. A ajuda foi enviada ao Sindicato dos Trabalhadores Agrícolas da Palestina por meio da Força Aérea Brasileira. “O povo palestino, como todos os povos que lutam por sua soberania, precisa das ações de solidariedade de outros povos”, disse Jane Cabral, da direção nacional do MST. De fato, o mundo deve seguir o exemplo dos trabalhadores sem-terra do Brasil. O MST, com seus quase dois milhões de membros, é o maior movimento sociopolítico da América Latina e um dos maiores movimentos camponeses do mundo. Desde seu nascimento, há 40 anos, em 1984, o MST continuou a crescer graças à sua abordagem única de construir e manter sua base entre os trabalhadores sem-terra. Publicado originalmente em Tricontinental.

ARGENTINA

“Pequenas e médias empresas buscam ar no Brasil diante das medidas de austeridade cada vez mais rígidas de Milei” é o título de reportagem do jornal Página 12. Uma grande delegação dessas empesas viajou para a capital do estado do Paraná com a intenção de abrir um novo mercado para pequenos e médios empresários. A queda abrupta do consumo transformou as exportações em um mecanismo de sobrevivência.

O presidente Lula no lançamento das ações de crédito nesta segunda-feira no Palácio do Planalto / Ricardo Stuckert /PR

Tagged: , , , ,