Imagem 1

Nações ricas e FMI aprofundam estagnação econômica global

Nações ricas e FMI aprofundam estagnação econômica global

As medidas de austeridade fiscal do FMI da década de 1980 regressaram com força total após a crise financeira global de 2008; e novamente durante a pandemia de Covid-19, a partir de 2020. A maioria dos empréstimos do Fundo exige o corte da massa salarial do setor público.

POR JOMO KWAME SUNDARAM

KUALA LUMPUR, Malásia – Com o aumento das taxas de juros pelo Federal Reserve System (FED) dos EUA, a economia mundial está desacelerando à medida que o sobre-endividamento se espalha por todo o Sul global, aumentando a pobreza em todo o mundo para níveis pré-pandêmicos, com os países mais pobres em pior situação.

A pobreza extrema continua a ser elevada e é agora pior do que antes da pandemia nos países de baixo rendimento (PBR) e entre os afetados pela fragilidade, violência e conflitos. A promessa de erradicar a pobreza em todo o mundo até 2030 tornou-se inatingível.

A reunião anual das Instituições de Bretton Woods (IBWs) em Marraquexe (Marrocos), em outubro de 2023, apenas a segunda [reunião] na África, foram dominadas pelas nações ricas. Mais uma vez, as IBW não conseguiram estar à altura dos desafios dos nossos tempos, atrasando ainda mais a África e o Sul global.

Em vez de promover a cooperação para enfrentar as causas e os efeitos da catástrofe contemporânea, nem o Fundo Monetário Internacional (FMI), nem os governadores do Banco Mundial conseguiram chegar a um acordo sobre os comunicados conjuntos, devido à maior politização dos fóruns multilaterais.

O endividamento imobiliza os governos

O endividamento e as regras restritivas dos credores impedem que os governos gastem mais de forma anticíclica para superar as tendências contracionistas dos últimos tempos. Além de impedi-los de enfrentar as crises sociais e ambientais iminentes.

As vinte maiores economias do G20 apelaram ao reforço da “coordenação multilateral por parte dos credores oficiais bilaterais e privados, para fazer face à deterioração da situação da dívida e facilitar o tratamento coordenado da dívida para os países em dificuldades de dívida”.

Mas o seu Quadro Comum para a reestruturação da dívida tem sido duramente criticado pela sociedade civilpelos grupos de reflexão e até pelo Banco Mundial por muitos motivos, incluindo o insignificante alívio de crédito oferecido a alguns países mais pobres.

Em contraste, o grupo do G24 de países em desenvolvimento nas IBW enfatizou a necessidade de “medidas duradouras de resolução da dívida, colaborando simultaneamente na resolução de questões estruturais que conduzem a tais vulnerabilidades”.

Porém, todos os que defendem essas supostas soluções nem sequer tentaram garantir espaço fiscal ou capacidade de despesa pública para os esforços anticíclicos, muito menos para que esses países possam alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e próprios objetivos de desenvolvimento nacional.

Sobretaxas

O FMI impõe atualmente encargos adicionais aos países que não liquidam rapidamente as suas dívidas com o Fundo. Além das taxas e juros habituais, os países mutuários pagaram mais de 4 bilhões de dólares em sobretaxas entre 2020 e 2022, durante a pandemia da COVID-19.

As sobretaxas custarão aos países sobrecarregados de dívidas cerca de 7,9 bilhões de dólares, ao longo de seis anos. O G24 enfatizou que as sobretaxas são pró-cíclicas e regressivas, especialmente com o aperto monetário.

Os governos empreenderam políticas contracionistas e cortaram as importações por falta de divisas. Isto aprofunda os problemas dos países pobres altamente endividados, que não podem deixar de contar com o Fundo para obter ajuda e soluções.

Em Marraquexe, o Comitê Monetário e Financeiro Internacional decidiu “considerar uma revisão das políticas de sobretaxas”. O G24 apelou a “uma suspensão das sobretaxas, enquanto a revisão – que esperamos leve à redução permanente substancial ou à eliminação completa – for conduzida”.

As nações ricas estão divididas em relação às sobretaxas, com a Ucrânia agora entre os seus principais pagadores. Na sequência das críticas da sociedade civil, a recusa da administração Biden em rever as sobretaxas em 2022 foi fortemente criticada pelo Congresso dos EUA.

Veja Também:  O que esperam os empresários privados das medidas adotadas pelos EUA em relação à Cuba?

Aprofundamento da austeridade

As medidas de austeridade fiscal do FMI da década de 1980 regressaram com força total após a crise financeira global de 2008; e novamente durante a pandemia de Covid-19, a partir de 2020. A maioria dos empréstimos do Fundo exige o corte da massa salarial do setor público, (Folha Salarial do Serviço Público, em inglês PSWB), a rubrica orçamental para pagar funcionários.

A maioria dos assalariados, incluindo enfermeiros, professores e outros trabalhadores dos serviços sociais, trabalham para o Estado, direta ou indiretamente. Apesar de muito necessários, o mais provável é que eles sejam alvos desses cortes orçamentais.

Os cortes do PSWB podem envolver contratações ou congelamento de salários, limitação ou mesmo corte de salários. Eles prejudicam inevitavelmente as capacidades e os serviços do governo. A consolidação fiscal também envolve o aumento de impostos indiretos sobre o consumo e as isenções fiscais, por exemplo, para bens essenciais como alimentos.

Em 38 países, onde vivem mais de 1 bilhão de pessoas, as condicionalidades dos empréstimos contraídos durante 2020-22, os três anos da pandemia da Covid-19, significaram reformas fiscais regressivas e cortes na despesa pública. O PSWB e os cortes nos subsídios para combustíveis ou eletricidade também foram exigências comuns que agravam as contrações econômicas.

Austeridade fadada ao fracasso

A própria investigação do FMI sugere que tais políticas de austeridade são geralmente ineficazes na redução da dívida, o seu objetivo ostensivo. Em Perspectivas Econômicas Mundiais do FMI, documento de abril de 2023, há o reconhecimento de que os programas de austeridade e as consolidações fiscais “não reduzem a proporção dívida, em média”. No entanto, o Monitor Fiscal do FMI ainda exige “aperto fiscal” da maioria dos países em desenvolvimento.

O novo quadro de sustentabilidade da dívida do FMI-Banco Mundial estabelece o limite entre dívida externa/PIB dos países de baixa renda em 30% ou 40%, insistindo que economias sobrecarregadas com dívidas devem ter limites mais baixos do que os de países “fortes”, penalizando ainda mais os fracos e os vulneráveis.

Em vez de permitir quadros macroeconômicos consistentemente anticíclicos, a atual abordagem de curto prazo do FMI preocupa-se principalmente com saldos anuais, ou pior, trimestrais, imitando as práticas de reporte corporativo.

Esta visão de curto prazo limita ainda mais o espaço fiscal, impedindo ou dissuadindo efetivamente os investimentos do setor público, que exigem quadros macroeconômicos de longo prazo para obter benefícios. Isso desencoraja investimentos “pacientes” de médio a longo prazo necessários para o planejamento e transformação econômica nacional, essenciais para o desenvolvimento sustentável.

Dívida restritiva e metas fiscais significaram ainda menos investimento público. Isto é normalmente exigido dos países mutuários como uma condicionalidade de crédito. As consultas anuais do Artigo IV do FMI fazem com que outros países também aceitem restrições semelhantes para evitar a desaprovação do Fundo.

Embora algumas economias em melhor situação se beneficiem do pleno emprego, a maioria dos países enfrenta uma nova contração econômica, sobretudo devido aos aumentos das taxas de juro liderados pelo FED dos EUA com seus muitos efeitos. Em vez de ser parte do problema, o FMI deveria ser parte da solução.

Artigo publicado originalmente na Inter Press Service.


Foto de capa: Ministro Fernando Haddad (Brasil), durante o encontro anual do FMI, no Marrocos, em 11 de outubro de 2023. Ele defendeu a posição do Brasil de reformar o Fundo Monetário Internacional para enfrentar a pobreza e a fome, além de combater as mudanças climáticas. Foto: Diogo Zacarias/ Ministério da Fazenda.

Leave comment