BAHIA: Governo presente cuida da gente

Como as alterações climáticas estão afetando os trabalhadores na América Latina?

Como as alterações climáticas estão afetando os trabalhadores na América Latina?

De ondas de calor a fenômenos meteorológicos extremos, o aumento das temperaturas está pondo em risco a saúde dos trabalhadores latino-americanos. Até 2030, deverão ser perdidos 2,5 milhões de empregos na região devido ao estresse térmico, especialmente na agricultura e na construção.

POR FERMÍN KOOP

BUENOS AIRES – Entre os muitos efeitos que as mudanças climáticas já estão causando na América Latina, um que tende a ser esquecido é o impacto na saúde dos trabalhadores. O aumento das temperaturas afeta direta e indiretamente a saúde humana, resultando em uma força de trabalho insalubre e em perdas de produtividade.

A temperatura média em 2023 na região foi a mais elevada de que há registo, 0,82°C acima da média de 1991-2020 e 1,39°C acima da média de 1961-1990, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial. Esta situação foi acompanhada por um aumento da frequência e da intensidade de fenómenos meteorológicos extremos, como furacões, inundações, secas, incêndios florestais e vagas de calor.

Os trabalhadores vulneráveis, ou seja, os que trabalham ao ar livre e os contratados em condições informais, são os mais afetados, especialmente pelo calor. Entre eles contam-se os agricultores, os pescadores, os trabalhadores da construção civil e o setor do turismo. Mas a lista é longa e os que trabalham em edifícios de escritórios também são afetados.

“O aumento das temperaturas tornará certos dias até perigosos para trabalhar ao ar livre ou em locais sem ventilação, e a maior exposição a desastres perturbará as cadeias de abastecimento, afetando também a produtividade”, afirma Guillermo Montt, especialista em proteção social da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Um estudo de 2019 estimou que, até 2030, a região deverá perder 2,5 milhões de empregos devido ao estresse térmico, especialmente na agricultura e na construção. No entanto, o número pode ser maior quando se adicionam outros fatores associados às alterações climáticas, como a radiação solar ultravioleta, eventos climáticos extremos, poluição do ar e certas doenças.

Quais os riscos que as alterações climáticas trazem para os trabalhadores?

O calor excessivo é um dos principais riscos climáticos para os trabalhadores. A OIT estima que 70% de todos os trabalhadores do mundo estão expostos ao calor excessivo todos os anos. Comparando as estimativas de exposição de 2000 a 2020, verifica-se um aumento de 34,7% no número de trabalhadores afetados.

A manutenção de uma temperatura central de cerca de 37°C é essencial para que o corpo continue a funcionar normalmente. O Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC) destacou que as funções físicas e cognitivas se deterioram acima dos 38°C, levando à “exaustão pelo calor”. Acima dos 40,6°C, o corpo entra em “golpe de calor” e o risco de danos nos órgãos, perda de consciência e mesmo de morte aumenta acentuadamente.

Os trabalhadores agrícolas estão particularmente expostos a estes riscos. De acordo com estudos realizados nos Estados Unidos, entre 2000 e 2010, os trabalhadores agrícolas tinham 35 vezes mais probabilidade de morrer devido ao calor excessivo do que os trabalhadores de outras profissões.

Para além do trabalho ao ar livre, as profissões que exigem vestuário pesado ou equipamento de proteção, como os bombeiros, também correm um risco acrescido. Os trabalhadores de escritório também podem estar em risco se os locais de trabalho não estiverem adequadamente equipados.

A radiação solar ultravioleta é um problema particular para os trabalhadores ao ar livre, como os agricultores. Estima-se que estejam expostos a doses de radiação pelo menos duas a três vezes superiores às dos trabalhadores que trabalham em recintos fechados e, frequentemente, a doses diárias cinco vezes superiores aos limites recomendados internacionalmente.

O aumento da frequência e da gravidade dos fenómenos meteorológicos também constitui uma ameaça para o bem-estar de muitos trabalhadores. Quando ocorrem, há uma maior procura de trabalhadores dos serviços de emergência, que têm de trabalhar mais e em circunstâncias difíceis, pondo em risco a sua saúde.

Em situações de emergência, os médicos, os bombeiros e os trabalhadores da construção civil podem ser expostos a substâncias perigosas e a riscos biológicos e sofrer lesões traumáticas. Além disso, o stress destas situações pode deixar estes trabalhadores física e emocionalmente exaustos, com riscos de perturbações da saúde mental.

Bombeiros durante um exercício de contenção de incêndio florestal em Cavalcante, estado de Goiás, Brasil. As pessoas que exercem profissões que exigem vestuário pesado ou equipamento de proteção correm um risco elevado de “exaustão pelo calor”. Imagem: Joédson Alves/Agência Brasil.

Os trabalhadores de todos os setores, especialmente os que trabalham ao ar livre, também estão expostos à poluição atmosférica, um problema que não só impulsiona as alterações climáticas, como também é agravado por elas. Condições mais secas e mais quentes podem aumentar a poluição do ar, por exemplo, pelo ozônio. Além disso, ondas de calor mais intensas e mais frequentes devido às alterações climáticas conduzem a mais incêndios florestais, que libertam emissões e materiais nocivos para a atmosfera.

Os trabalhadores ao ar livre estão também particularmente expostos a doenças transmitidas por vetores, como a dengue, cujos surtos na América do Sul atingiram níveis recorde este ano. A previsão é de que as alterações climáticas alterem a sazonalidade, a distribuição e a prevalência dessas doenças, que prevalecem nas zonas tropicais e subtropicais.

As mudanças climáticas podem também aumentar a erosão dos solos e diminuir os nutrientes essenciais para o crescimento das plantas, como o nitrogênio. Isso pode levar os trabalhadores agrícolas a aumentar o uso de fertilizantes químicos e pesticidas, com impactos na saúde devido aos riscos de exposição.

O que está acontecendo na América Latina?

Para The Lancet Countdown, um grupo de reflexão independente que estuda as relações entre a saúde pública e o clima, as temperaturas elevadas limitam a produtividade dos trabalhadores na América Latina, afetam a sua saúde e meios de subsistência e agravam os efeitos da crise econômica que atinge muitos países da região.

No seu último relatório, que analisa 34 indicadores, os pesquisadores concluíram que a mortalidade relacionada com o calor aumentou 140% na comparação entre 2000-2009 e 2013-2022. Além disso, entre 2013 e 2022, as crianças e as pessoas com mais de 65 anos foram expostas a mais 248% e 271% de dias de ondas de calor, respetivamente, em comparação com 1986-2005.

O relatório concluiu também que o risco de transmissão de dengue aumentou 54% entre o período de 1951-1960 e o período de 2013-2022, em consonância com o recente aumento de casos. Além disso, 11 países registraram aumento dos dias em que as pessoas estiveram expostas a elevado risco de incêndio no período de 2013-2022 em relação a 2001-2010.

“Todos os dados relativos ao impacto na saúde continuam piorando, não se registou uma única melhoria. Há um aumento da exposição a ondas de calor, a incêndios florestais, a temperaturas mais altas, todos os dados estão subindo”, alertou Stella Hartinger, diretora da The Lancet Countdown para a América Latina, ao analisar o relatório.

Em um estudo de 2022, os investigadores Jiang e Quintero analisaram os efeitos das temperaturas mais elevadas na produtividade do trabalho em cidades de oito países da região. Em média, um aumento anual de temperatura de 1°C está associado a um declínio de 1% nos salários, sendo os jovens e os trabalhadores informais os mais afetados.

Para a OIT, a América do Sul, a América Central e as Caraíbas apresentam níveis elevados de exposição ao calor excessivo. Enquanto uma média de 0,3% do total de horas de trabalho foram perdidas devido ao calor em 1995, espera-se que em 2030 esse valor atinja 0,6% – o equivalente a 2,9 milhões de empregos em tempo integral.

Mais de metade das perdas em 1995 ocorreram no setor agrícola, embora se espere que esta porcentagem desça para 39% em 2030, dada a menor prevalência do emprego agrícola.

A Guiana é o país mais afetado. A análise da OIT estima que o calor excessivo levaria à perda de 3% do seu produto interno bruto (PIB) até 2030, em comparação com 1,6% em 1995. Outros países tropicais, como Equador, Honduras, Suriname e El Salvador, também seriam gravemente afetados, triplicando, em alguns casos, o impacto no PIB.

Deissy Martínez-Barón, líder regional para a Ação Climática na América Latina e nas Caraíbas da Bioversity International e da Aliança do Centro Internacional de Agricultura Tropical (CIAT), argumenta que os trabalhadores agrícolas já estão sendo afetados pelo calor excessivo e pelas doenças transmitidas por vetores. No entanto, ela admite que faltam informações.

“Até agora, a ênfase tem sido colocada nos efeitos sobre as culturas, mas precisamos saber mais sobre os trabalhadores. Os efeitos que eles já estão sentindo devido às alterações climáticas devem ser um alerta para dar mais importância à investigação social e não apenas à parte produtiva”, sustenta Martínez-Barón. “É algo que estamos começando a estudar”, acrescentou.

O que os governos estão fazendo em relação a estes riscos?

Halshka Graczyk, especialista em segurança e saúde no trabalho da OIT, afirma que os trabalhadores da região enfrentam um “cocktail de riscos que se agravam mutuamente”. A especialista salienta que os governos e o setor privado estão gradualmente respondendo aos riscos, embora ainda sem uma abordagem unificada para a implementação de políticas.

Em resposta ao calor excessivo, alguns países da região estão incluindo os riscos como uma prioridade nas políticas e estratégias nacionais de segurança e saúde no trabalho. A legislação nacional estabelece frequentemente, por exemplo, uma gama de temperaturas aceitáveis em função das circunstâncias específicas do local de trabalho.

No Brasil, existem limites de tolerância para a exposição ao calor acima dos quais o trabalho deve ser suspenso, com base nos limites da temperatura de bolbo húmido (WBGT), uma medida da temperatura aparente que estima os efeitos da temperatura, umidade, vento e radiação e a forma como eles afetam os seres humanos.

Na Costa Rica, os empregadores são obrigados, desde 2015, a proteger os trabalhadores do stress térmico com vestuário e hidratação adequados.

A OIT recomenda que os trabalhadores façam pausas para abrandar a acumulação de calor no corpo, para além da hidratação. Beber 750 mililitros de água por hora reduz o stress na saúde ocupacional sem afetar a produtividade. O vestuário de cor clara, respirável e largo também reduz o stress térmico dos trabalhadores em 0,4 graus Celsius.

Ao mesmo tempo, alguns países contam com leis que se referem à proteção dos trabalhadores contra os riscos da radiação solar ultravioleta, definindo medidas de proteção.

No Chile, os empregadores de trabalhadores expostos devem publicar o índice diário de radiação e fornecer equipamento de proteção individual.

Algumas medidas que podem ser adotadas para reduzir a exposição à radiação incluem a disponibilização de áreas de trabalho com sombra e controles administrativos para evitar o trabalho sob a luz direta do sol durante as horas mais quentes do dia. Além disso, recomenda-se a utilização regular de protetor solar e de vestuário de proteção solar.

“O nosso código do trabalho exige que os empregadores tomem medidas para garantir um ambiente seguro e saudável. Devem incorporar nos seus planos de emergência ações no caso de exposição a temperaturas extremamente elevadas e trabalhar na prevenção, formação e divulgação”, afirma Pamela Gana, superintendente da segurança social do Chile.

Face a fenômenos climáticos extremos, existem também instrumentos para proteger os trabalhadores mais vulneráveis. Por exemplo, no Uruguai, os empregadores de trabalhadores rurais são obrigados, desde 2022, a suspender qualquer atividade quando houver riscos à saúde dos trabalhadores devido a chuvas, ventos ou trovoadas.

A OIT recomenda a realização regular de exercícios de segurança que simulem condições climáticas extremas, preparando assim os trabalhadores para situações reais. Além disso, sugere a formação dos trabalhadores em práticas preventivas para melhorar a capacidade de resposta e a incorporação de tecnologias como os drones de vigilância.

Em alguns casos, a legislação também aborda os riscos da utilização de pesticidas e doenças transmitidas por vetores. A Costa Rica só permite a aplicação de pesticidas durante as horas frescas do dia, com um máximo de quatro horas de trabalho. Em Barbados, os locais de trabalho devem ter um programa de controle de vetores.

“Temos um conselho de saúde ocupacional e, a partir daí, promovemos várias questões para nos prepararmos melhor para os efeitos das alterações climáticas no trabalho”, disse Alexander Astorga, vice-ministro do Trabalho da Costa Rica. “Estamos trabalhando na prevenção, fornecendo a proteção necessária, e na educação de gestores e trabalhadores, corrigindo certas práticas”, acrescentou.

A mudança climática provocará a perda de empregos?

Nas Américas, cerca de 17% do emprego depende diretamente dos serviços dos ecossistemas. Mais de metade destes empregos estão no setor agrícola. Prevê-se que as alterações climáticas aumentem a degradação ambiental e a perda de biodiversidade nos ecossistemas, o que terá efeitos negativos no emprego.

Ao mesmo tempo, a transição para uma economia com baixas emissões terá efeitos nos mercados de trabalho. Um relatório de 2020 da OIT e do Banco Interamericano de Desenvolvimento projeta que, embora se percam 7,5 milhões de empregos na América Latina até 2030, especialmente no setor dos combustíveis fósseis, serão criados 22,5 milhões de novos empregos em setores como a silvicultura e as energias renováveis.

Por consequência, as políticas de melhoria e a atualização profissional serão muito importantes para garantir uma transição justa na região. No entanto, os planos climáticos dos governos fazem pouca referência às políticas do mercado de trabalho para apoiar os trabalhadores e as empresas nos seus esforços de adaptação às alterações climáticas.

“Um grande desafio é antecipar adequadamente estas mudanças e acelerar a capacidade de resposta e antecipação”, afirmou Montt, especialista em proteção social da OIT. “Os nossos sistemas políticos estão mais capacitados para enfrentar emergências com um resultado rápido do que para lidar com processos de mudança lenta e progressiva”, concluiu.

Fermín Koop é vice-editor para a América Latina da Dialogue Earth, mentor da Earth Journalism Network (EJN) e professor da Universidad Argentina de la Empresa (UADE).

Artigo publicado pela Inter Press Service e Dialogue Earth.

Foto de capa: Bombeiros durante um exercício de contenção de incêndio florestal em Cavalcante, estado de Goiás, Brasil. Foto: Joédson Alves/Agência Brasil.

Tagged: ,